CotidianoNotíciasAlunos usuários do transporte público denunciam a superlotação dos ônibus circulares.

A capacidade é para 12 pessoas em pé, mas o ônibus chega a transportar até 40 pessoas.
Jornal Diário Tupã Jornal Diário Tupã17 de fevereiro de 2019
https://i0.wp.com/portal.maistupa.com/wp-content/uploads/2019/02/onibus.jpg?fit=1200%2C675&ssl=1

A linha Azul, por exemplo, sai do Conjunto Habitacional “Jammil Dualibi” e passa pela “Rodoviária Velha”. Neste local faz baldeação com outra circular que transporta os alunos às escolas “Dr. Lélio Toledo Piza” e Etec “Professor Massuyuki Kawano”. “Quando ele sai daqui (“Jammil Dualibi”) já está lotado, com cerca de 20 pessoas em pé. Quando chegamos na ‘Rodoviária Velha’, o ônibus está superlotado”, disse o estudante Bruno Vinícius Andrade Nascimento, de 22 anos. “A capacidade é para 12 pessoas em pé, mas o ônibus chega a transportar até 40 pessoas em pé”, acrescentou.

O aluno explicou que a superlotação prejudica os próprios passageiros, os alunos e, principalmente, os idosos. “Quando o ônibus faz uma curva, um passageiro cai em cima do outro. Pessoas já ficaram machucadas, principalmente as mais idosas”, disse.

No ano passado, alunos denunciaram a superlotação do transporte público a vereadores, que ficaram de apresentar uma solução para o problema, mas isso não aconteceu.
Nascimento destacou que uma das alternativas seria a empresa dividir os atendimentos com ônibus para uso exclusivo de alunos e outros veículos para usuários em geral. “Como sempre, não fizeram nada”, disse.
No começo de cada ano letivo, Nascimento disse que aumenta o número de alunos usuários do transporte público. “Há muitos alunos que são de bairros afastados, que se utilizam da circular para ir e para voltar da escola”, salientou.

Nascimento recebeu a informação de que, se ocorresse algum acidente com os alunos, a empresa não poderia fazer nada, pois não tem licença para transportar essa quantidade de alunos. “Eles já pediram essa licença, mas essa empresa de ônibus não tem como trazer ônibus maiores. Foram pedir para o prefeito uma verba a mais para poder trazer e foi negada”, afirmou. “Disseram que a prefeitura não tinha condições de estar pagando esse transporte a mais e que era para continuar desse jeito”, acrescentou.
O aluno disse ficar impressionado com o fato do poder público municipal se pronunciar somente quando ocorre alguma tragédia. “O mato estava enorme e começaram a capinar os lotes e aplicar multa nos terrenos abandonados depois que aconteceu uma tragédia”, afirmou.
Segundo Nascimento, idosos já caíram da circular, pois o motorista não consegue enxergar a porta, devido a quantidade de passageiros no veículo. “Não dá para saber a hora que as pessoas estão descendo. Pessoas já ficaram presas na porta, machucaram o ombro. Um outro menino ficou preso pelo ombro devido a lotação do ônibus”, afirmou.
Por causa da lotação, o aluno disse que as pessoas acabam ficando prensadas na porta da circular. “Na hora de uma curva, a porta pode acabar abrindo e derrubando alguém”, salientou.
De acordo com Nascimento, há alunos que preferem ir a pé e sozinhos para casa, depois das aulas, em vez de ir de circular. “Tem pessoas que estudam na Etec, moram no ‘Jammil’ e preferem ir para casa à pé, que ir de circular. Isso às 23 horas. E se acontece alguma coisa com essas pessoas no meio da noite. Estamos sujeitos a tudo. Queremos os nossos direitos, dos idosos, das faxineiras e de todos os usuários”, enfatizou.

Segundo Nascimento, um vereador visitou o transporte público, se indignou com a situação e garantiu que iria fazer algo em favor dos alunos. “Ele foi lá, falou um monte de palavrão, disse que aquilo não estava certo e que iria fazer algo para mudar aquela situação, mas também não fez nada”, salientou. “Se o povo não fizer nada e ficar esperando ajuda de prefeito e vereador, nunca vai acontecer nada. Já mandei solicitação para outras pessoas, elas só visualizam e não respondem. Não é justo passarmos por isso. Eles estão andando de carrão, fazendo e acontecendo às nossas custas e nós passando por essas humilhações”, concluiu.

O vereador capitão Neves (PV) recebeu a solicitação dos alunos, disse que encaminhou o pedido para o prefeito e aguarda resposta dos representantes da empresa.





Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso.


Comentários

Contato (14) 3722 8957 Endereço Rua Cherentes, 250 - 11° andar - sala 113. Tupã-SP Cep 17.600-090 e-mail: [email protected]