ColunistasCultura e EducaçãoLULA: um Ministro salvador?

Mais Tupã Mais Tupã17 de março de 2016
https://i0.wp.com/portal.maistupa.com/wp-content/uploads/2016/03/dilma-e-lula.jpg?fit=668%2C535&ssl=1

LULA: um Ministro salvador?

Rodrigo Augusto Prando

dilma e lula

O clima político, no Brasil, está em ebulição, ora são as informações acerca do Governo Dilma, ora os desdobramentos da Operação Lava Jato; ora, infelizmente, a conjugação destas duas. Há alguns dias, especialmente, que reclamam atenção. Domingo, 13 de março e hoje, 16 de março: no primeiro caso, a maior manifestação de rua contra um governo da história de nosso país, agora, a propalada – mas, ainda, não confirmada – ida de Lula para um ministério de Dilma (provavelmente, a Casa Civil). São poucos os dias que separam estes dois eventos: os protestos e um novo ministro anunciado. O hiato, todavia, é menos importante do que a percepção geral de que nem a Presidente e nem seu partido, o PT, entenderam o inequívoco recado dado pelos manifestantes. 

 

A se confirmar a nomeação de Lula como um, assim chamado, “superministro”, Dilma ignora solenemente os riscos (ou os têm todos calculados e crê ser a melhor opção). Antes, porém, de tratar dos desdobramentos políticos, convido o leitor a conhecer ou rever um trecho de Maquiavel, em seu clássico “O Príncipe”, de 1513, no capítulo XXII – Os secretários dos príncipes:

“Para um príncipe não é de pouca importância saber escolher os seus ministros, os quais são bons ou não conforme a sabedoria de que ele usou na escolha. A primeira opinião que formamos de um príncipe e da sua inteligência estriba-se na qualidade dos homens que o circundam. Quando estes são capazes e fiéis, podemo-lo reputar sagaz, porque soube conhecer-lhes as capacidades e mantê-los fiéis a si. Mas quando não o são, o fato mesmo de haver ele errado na escolha justifica plenamente que o tenhamos e má conta”.

 

O autor florentino asseverou a importância de o governante saber escolher seus ministros na composição de sua equipe. O atual ministério de Dilma é inexpressivo, sem grandes nomes. Duvida-se, também, que a Presidente seja capaz de nomear os seus quase quarenta ministros. Mas, doravante, tudo mudará, como num experimento dos grandes alquimistas, num passe de mágica. Lula colocará tudo nos trilhos, fará a articulação política, dialogará com os movimentos sociais e, porque não, ajudar na economia do país. Tal situação só encontra respaldo numa cultura política de caráter personalista e de visão messiânica. Lula, o ungido, não o humano e mortal, será capaz de corrigir os rumos e dar vida ao moribundo governo. O problema, aqui, é de lógica, ou, melhor dizendo, da relação de espaço-tempo. Uma figura como Lula, aquilatado politicamente, teria espaço em qualquer governo petista, mas só, neste momento, é que escolheu “aceitar” o “convite” de Dilma. Se espaço ele sempre teve, o momento, o tempo político, não poderia ser pior. Impossível não fazer, no campo da racionalidade, a ilação de que Lula, ministro, queira obter foro privilegiado e, com isso, não ser investigado, em primeira instância, pelo Juiz Sérgio Moro. Lula criador e Dilma criatura sempre mantiveram, depois dela eleita, uma relação tensa. Nos bastidores ou publicamente, Lula nunca deixou de mandar recados, reprimendas e conselhos à Dilma. Esta, no segundo mandato, tratou, de início, de formar um ministério menos lulista e afastou ministros do círculo íntimo do ex-presidente. Trouxe, assim, para seu entorno, figuras como Aloísio Mercadante e José Eduardo Cardozo, ambos desafetos de Lula. Não deu certo.

 

Dilma Rousseff não tem uma marca para chamar de sua em seu primeiro mandato. Fernando Henrique Cardoso controlou a inflação e estabilizou a economia; Lula incrementou programas sociais e melhorou a distribuição de renda; Dilma nada fez, nada deixou. O seu segundo mandato está paralisado. Tem o governo de direito, pois foi eleita, mas não o exerceu de fato. Ao conduzir Lula ao ministério cria situação ímpar de se autogolpear. Assume, em suas contas, que Lula poderá barrar o impeachment e que é melhor manter o mandato, ainda que sem poder, do que perder mandato e poder. A política só existe dentro da lógica do poder, como conquista-lo e como mantê-lo, mais do que isso: é, para os pesquisadores, como encontrar a legitimidade do mando, ou seja, qual o fundamento do poder de mandar e de ser obedecido pelos demais. Se o discurso – ou, em outras palavras, a narrativa – dos petistas e do governo já atentam contra a lógica e razão; Dilma subverterá a lógica do poder político: será uma presidente sem poder, uma moradora do Planalto exilada em sua sala.

 

Escrevi, não faz muito, que o ex-presidente Juscelino Kubitschek asseverou, certa feita, o seguinte: “Volto atrás, sim. Não tenho compromisso com o erro”. A partir de todos os indícios, de se levar Lula ao ministério de um governo combalido, na crença de que ele será um “salvador”, dando-lhe foro privilegiado, Dilma mostra não apenas compromisso com o erro, mas, sobretudo, extrema fidelidade ao erro. Políticos de oposição e movimentos contrários ao governo já prometem, nas redes sociais e na mídia, fazerem mais barulho e, com isso, não desejarem maisprotestos aos domingos e sim durante a semana, com dias úteis sendo perdidos, a fim de confrontar um governo que, em sua ótica, os afrontam cotidianamente. Se o momento é, em termos analíticos, de vasto material para se pesquisar e refletir sobre a sociedade e a política brasileira; é, em termos sociais, de valores republicanos, um dos mais tristes capítulos de nossa história.

 

Rodrigo Augusto Prando – Licenciado e Bacharel em Ciências Sociais, Mestre e Doutor em Sociologia. Professor e Pesquisador da Universidade Presbiteriana Mackenzie, do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas.

 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso. https://portal.maistupa.com/termos-de-uso-comentarios-facebook/


Comentários

Veja também

Posts Relacionados

Armando “as ondas”

Armando “as ondas”

4 de fevereiro de 2019
Armando “a folga”

Armando “a folga”

29 de dezembro de 2018
Armando “as ameaças”

Armando “as ameaças”

11 de dezembro de 2018

Contato (14) 3722 8957 Endereço Rua Cherentes, 250 - 11° andar - sala 113. Tupã-SP Cep 17.600-090 e-mail: [email protected]